Incisão areolar, axilar ou inframamária: entenda as diferenças!

5 (100%) 1 vote

As variáveis que interferem no resultado de uma mamoplastia de aumento são muitas. Além da escolha do volume, formato e perfil da prótese, uma outra decisão é muito importante para definir a posição e o tamanho da cicatriz: o local da incisão.

Como já explicamos aqui no blog, as principais alternativas são: a incisão areolar, a axilar e a inframamária. Tratamos de cada uma delas separadamente em outros posts, mas neste artigo vamos resumir os principais tópicos e apresentar um comparativo.

Então, se você está buscando esclarecer suas dúvidas sobre esses tipos de incisão e sua indicação, chegou ao lugar certo. Continue a leitura!

Incisão areolar

Trata-se da técnica em que o cirurgião plástico insere a prótese por meio de um corte semicircular feito no contorno da aréola dos seios. Ela também é conhecida como incisão periareolar.

Vantagens

A cicatriz resultante desse tipo de cirurgia é muito discreta. Além disso, essa técnica permite que o cirurgião tire uma pequena tira de pele em formato de meia-lua para corrigir casos de leve flacidez.

Outra vantagem é o fato de que o acesso visual e por instrumentos ao local onde o implante será colocado é relativamente simples, tornando o procedimento rápido e seguro.

Desvantagens

A maioria das técnicas tem vantagens e desvantagens, e a incisão areolar não é uma exceção. Então, quando os médicos analisam a possibilidade de utilizá-la eles precisam levar em conta os seguintes fatores:

  • O corte que essa técnica permite é bem pequeno. Dessa forma, ele não comporta a passagem de próteses grandes, que são as preferidas pelas brasileiras.
  • Algumas mulheres possuem uma aréola bem pequenininha. Assim, a aplicação dessa técnica é impossível nesses casos.
  • Para abrir o espaço necessário para a colocação da prótese, que fica atrás da glândula mamária, o cirurgião precisa cortar dutos que transportam o leite.
  • O contorno das aréolas é uma região que possui muitos nervos. Por isso, quando o cirurgião corta essa área, existe um risco maior de a paciente perder a sensibilidade nos mamilos, pelo menos temporariamente.

Cicatriz

Como nessa área já existe uma transição de cores, o corte se transforma em uma cicatriz fina e pouco perceptível. Esse é um ponto positivo da técnica.

Riscos

Como já falamos, alguns riscos são a perda da sensibilidade dos mamilos e dificuldades com a futura amamentação. Dessa forma, essa é uma técnica cada vez menos utilizada pelos médicos.

A incisão areolar também não é recomendada para pacientes com problemas de cicatrização. Elas podem ficar com um relevo no contorno dos mamilos, causando um resultado estético indesejado.

Recomendação

Essa técnica geralmente é indicada quando as pacientes pretendem colocar implantes pequenos. Portanto, ela não costuma ser recomendada nas cirurgias de mamoplastia de aumento para fins estéticos.

Outra indicação é quando as pacientes desejam corrigir as aréolas. Isso acontece quando o bico do peito é muito grande, assimétrico ou até mesmo deformado. Assim, o médico opta por essa técnica para solucionar os dois problemas em uma única cirurgia.

Incisão axilar

Trata-se da técnica em que o cirurgião plástico insere a prótese por meio de cortes feitos na dobra natural das axilas. Ela também é conhecida como incisão transaxilar.

Vantagens

A principal vantagem dessa técnica é o fato de que não há nenhuma cicatriz nas mamas. O silicone é colocado por trás desse órgão, com um túnel aberto desde as axilas até a glândula mamária.

Como a prótese de silicone é colocada por trás, não existe a necessidade do médico cortar nenhum ducto mamário. Assim, essa técnica não prejudica a amamentação.

Desvantagens

Talvez essa técnica seja a que apresenta um maior número de desvantagens. Por isso, hoje em dia ela raramente é escolhida pelos cirurgiões. Veja os principais motivos:

  • O procedimento é mais complicado porque o acesso à região onde a prótese será colocada é mais difícil. Então, o médico precisa abrir um “túnel”, fazer manobras especiais e usar instrumentos específicos.
  • A dificuldade de acesso também torna o posicionamento da prótese mais complexo. Assim, é preciso tomar muito cuidado para não causar assimetrias.
  • Os médicos não recomendam o uso de próteses grandes quando essa técnica é utilizada. Isso exigiria um corte muito grande, tanto na área externa das axilas quanto na região interna.
  • No pós-operatório, a mulher precisa tomar um cuidado maior com a movimentação dos braços. Dessa forma, ela não força os pontos e o corte, prejudicando a cicatrização.
  • Devido ao risco de assimetria, as próteses usadas nesse tipo de cirurgia devem ser redondas. Os médicos não indicam implantes anatômicos nesse caso, pois diferenças de posicionamento podem ficar evidentes.
  • Com um procedimento complexo, o tempo da cirurgia também se torna mais longo.
  • Esse tipo de cirurgia não possibilita a correção de flacidez discreta, como no caso da incisão areolar.

Cicatriz

A cicatriz fica na dobra natural das axilas e, por isso, são disfarçadas. Contudo, muitas mulheres se sentem desconfortáveis com essas marcas, que aparecem sempre que elas usam biquínis e blusas sem mangas. Assim, elas evitam levantar os braços.

Riscos

Além dos riscos de assimetria, o corte interno longo aumenta a possibilidade de uma infecção, embora isso seja raro.

Outro risco é o da prótese subir pelo túnel formado para colocá-la. Nas primeiras semanas, a pele e o tecido mamário ainda não estão acostumados com esse novo volume e vão pressioná-lo. É natural que o implante busque um espaço, o que pode causar o deslocamento.

Recomendação

Apesar dessas desvantagens, a incisão axilar tem suas indicações. A principal delas é quando a paciente tem dificuldades de cicatrização e a tendência à formação de queloides.

Na área das axilas, esse tipo de problema é menos comum. Portanto, nesses casos essa é a técnica mais indicada.

Incisão inframamária

Trata-se da técnica em que o cirurgião plástico insere a prótese por meio de um corte feito na dobra inferior da mama.

Vantagens

A incisão inframamária é a mais usada atualmente porque tem diversas vantagens.

Em primeiro lugar, o acesso à região onde a prótese será inserida é muito fácil. Basta um pequeno corte para abrir o espaço (chamado de loja) necessário para o procedimento. O posicionamento do implante sob a glândula também é muito simples e preciso.

O corte externo é bem pequeno e permite inserir próteses de tamanho grande. Portanto, essa é a técnica preferida de quem quer os seios realmente turbinados.

Por colocar a prótese por trás da glândula mamária, o médico não precisa cortar nenhum duto. Assim, essa técnica não prejudica a amamentação.

Desvantagens

Embora a prótese preencha bastante a mama, deixando-a empinada, essa técnica não permite retirar pequenos pedaços da pele p corrigir casos discretos de flacidez.ara

Cicatriz

A cicatriz, que varia entre 3 e 5 cm, fica escondida na dobra inferior do seio. Por isso, além de ser facilmente coberta por sutiãs e biquínis, ela se torna praticamente imperceptível até mesmo para quem vê as mamas descobertas.

Recomendação

A incisão inframamária é indicada para a maioria das mulheres. Por isso, atualmente ela é a mais utilizada em cirurgias para colocar silicone.

Finalmente, não poderíamos concluir este post sem destacar que a técnica utilizada é escolhida pelo cirurgião.

É importante que as mulheres conheçam os pontos positivos e negativos de cada tipo de incisão, mas o cirurgião experiente é o melhor profissional para identificar necessidades e encontrar a melhor alternativa para alcançar o resultado que a paciente deseja.

Enfim, a melhor técnica é aquela que seu médico indica!

Gostou do post? Quer saber mais sobre a cirurgia para colocar prótese de silicone? Siga as nossas páginas no Facebook e Instagram e acompanhe a publicação dos nossos posts em primeira mão!

Quer dar um turbinada nos seus seios ? Acesse já o site da Silicone Center ou clique na imagem e abaixo e baixe nosso e-book grátis !


Tudo o que você precisa saber sobre Próteses de Silicone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *